10 mitos e verdades sobre abrir o próprio negócio

Por Fernanda Santos

A cada ano, milhões de brasileiros abrem seus próprios negócios com a esperança de ter mais qualidade de vida e melhorar a renda familiar

Para aumentar as chances da empresa dar certo, é preciso se preparar e ter cautela com os famosos "mitos" do empreendedorismo.

mitos-e-verdades-sobre-empreender

Em 2017, 3 em cada 10 brasileiros adultos (18 a 64 anos) estavam empreendendo. Isso significa que, naquele ano, ao menos 50 milhões de pessoas começaram os próprios negócios no país ou continuaram tocando uma empresa que já existia – seja formal ou informalmente.

A conclusão é do estudo Global Entrepreneurship Monitor (GEM), feito pelo Sebrae, e dá uma dimensão de como os brasileiros veem no empreendedorismo uma chance de mudar de vida.

Apesar de ser um caminho promissor, não são todos os negócios que prosperam. Segundo a pesquisa Demografia das Empresas, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2017, apenas 4 em cada 10 empresas sobrevivem aos cinco primeiros anos de vida.

Planejar-se bem antes de abrir, estudar o mercado e entender a viabilidade do seu produto ou serviço costuma minimizar os riscos do negócio, explica Jonas Nicodemo, gerente regional do Sebrae em Piracicaba. Para ajudar quem está nessa jornada, selecionamos alguns mitos e verdades sobre empreender.

Empreendedor nasce empreendedor

Mito. De fato, os empreendedores costumam ter características parecidas, especialmente aqueles que prosperam. Entre elas está a motivação, espírito de liderança, disposição para assumir alguns riscos, criatividade e resiliência. Mas nem todos os empreendedores nasceram assim – alguns têm apenas o desejo ou oportunidade de empreender e adquirem essas qualidades ao longo do tempo, enquanto aprendem com o próprio negócio.

Foi o que percebeu a dentista Milena Louzas, dona do Família no Dentista, um consultório focado no atendimento de crianças.

“No princípio, eu fiz de tudo, fui ao Sebrae, fiz cursos de negócios e até de fluxo de caixa. Parece mentira, mas o que mais me ajudou foi fazer terapia, porque me ajudou estabelecer prioridades. Fui errando e aprendendo”, diz ela.

Vou trabalhar menos no negócio próprio

Mito. A maioria dos empreendedores acaba trabalhando a mesma quantidade de horas ou até mais tempo do que trabalhava no emprego fixo. “Ele vai dedicar bastante tempo à empresa, porque os pequenos empreendimentos não têm departamentos para cuidar da gestão e de todos os outros processos, como vendas e marketing. O empreendedor acaba fazendo tudo”, diz Nicodemo, do Sebrae.

O negócio próprio amplia as chances de ganho

Verdade. Um dos fatores que mais leva as pessoas a deixarem um emprego fixo para se arriscarem no mundo do empreendedorismo é a chance de ganhar melhor e aumentar o patrimônio. Segundo o gerente do Sebrae, essa possibilidade é real.

“A vantagem de ter o próprio negócio é trabalhar de forma mais estratégica e ampliar os ganhos financeiros”, diz Nicodemo.

Vou poder fazer o que gosto

Verdade. Essa é uma das grandes vantagens de abrir o próprio negócio. Claro que o empreendedor precisa avaliar bem o mercado consumidor para saber se haverá demanda para o serviço ou produto que ele quer oferecer. Mas nada o impede de unir o útil ao agradável: empreender fazendo o que ama.

Foi o que aconteceu com Eduardo Morgado, dono da loja de comida indiana Curry Natural. Após perder o emprego de Relações Públicas em uma empresa, ele viu uma oportunidade de abrir o próprio negócio e começar a fazer algo de que gosta.

“Eu sempre cozinhei, sempre tive interesse pela culinária. Quando sai da empresa onde trabalhava, falei com minha esposa e pensamos: por que não começar um negócio?”, afirma ele.

Posso fazer algo que alguém já faz

Verdade. O mercado está cheio de negócios parecidos, que oferecem os mesmos produtos e serviços – como restaurantes, salões de beleza ou lojas de roupas. Se o empreendedor tiver uma ideia inovadora, que tenha demanda no mercado, as chances de crescer são realmente maiores. Mas também é possível empreender com algo que já existe. Nesse caso, o ideal é inovar em outros aspectos: oferecer o serviço ou produto de forma mais atraente, com um atendimento melhor e localização estratégica, por exemplo.

Posso usar um plano de negócios simples

Verdade. É muito importante ter um plano de negócios antes de começar o empreendimento. Algumas entidades podem ajudar nessa tarefa, como o Sebrae, que dá suporte no planejamento e na gestão das finanças dos negócios. Contudo, não é preciso fazer um plano muito complicado, até porque isso pode atrasar a abertura da empresa.

Rafael Stockler, dono de uma marca de camisetas com estampas de jogos online chamada Skube, diz que fez um plano simples antes de inaugurar a empresa.

“Eu sei que meu negócio tem potencial, mas as próximas estratégias prefiro decidir à medida que as vendas vão crescendo. Não tem muito como prever”, diz ele.

Vou lucrar logo no primeiro mês

Parcialmente mito. A maior parte das empresas demora um tempo para deslanchar, mas esse tempo é muito relativo.

“Os primeiros meses são realmente mais desafiadores. Mas não necessariamente o empreendimento vai demorar para lucrar”, diz Nicodemo, do Sebrae.

Para o especialista, fazer um bom plano de negócios, conhecer antes o perfil dos possíveis clientes e ter uma boa estratégia para conquistá-los são quesitos fundamentais para que uma empresa tenha bons resultados em curto prazo.

Preciso reinvestir no negócio por um tempo

Verdade. Mesmo que o negócio comece a dar lucro rápido, reinvestir parte do dinheiro, especialmente nos primeiros anos, é muito importante para a saúde da empresa. “Com esse recurso, o empreendedor pode inovar e aumentar o capital de giro, expandir com o caixa equilibrado. Com isso, o empresário pode, por exemplo, dar prazo de pagamento maior aos clientes”, explica o gerente do Sebrae.

Alguns negócios não são arriscados

Mito. Correr riscos faz parte de qualquer negócio. Isso porque um empreendimento depende de muitos fatores para decolar – incluindo os que não estão sob controle do empreendedor, como a saúde da economia do país. Para minimizar os riscos, o ideal é fazer um bom plano de negócios, que avalie o nível de concorrência e a viabilidade da empresa, indica Jonas Nicodemo, do Sebrae.

Abrir uma empresa no Brasil demora muito

Parcialmente verdade. Segundo um ranking do Banco Mundial, os empreendedores brasileiros gastam, em média, 20,5 dias para abrir uma empresa. Contudo, esse prazo é muito relativo e depende, especialmente, da cidade e setor do negócio que será aberto.

Para se ter uma ideia, em Porto Alegre (RS), são necessários apenas 4,8 dias para abrir uma empresa, em média. Por outro lado, se o tipo de negócio exigir muitas licenças e alvarás, pode ser que esse prazo seja muito maior.

Quem sabe bem disso é o empresário Marcelo Ubarana, dono da Fresh4Pet, empresa que fabrica e vende comida natural para cachorros.

“A minha atividade é classificada como ‘indústria’. Além de todas as licenças da Prefeitura, precisei de uma licença ambiental. Tudo demorou quase dois anos para sair”, explica ele.

Os mitos e verdades sobre abrir o próprio negócio dependem muito da trajetória de cada empreendedor, mas, em geral, eles concordam sobre as percepções que citamos acima. Ouvir quem tem mais experiência pode ser uma decisão valiosa para quem está começando a empreender.