Quais são as categorias MEI mais em alta em 2019?

Por Maria Teresa Lazarini

categorias-mei-em-alta-2019

Completando 11 anos em 2019, o programa de Microempreendedores Individuais (MEI) foi criado como uma alternativa simplificada para a formalização de pequenos negócios e trabalhadores autônomos. Por ser um regime facilitado de empresa, o MEI deixa de ter algumas obrigações, como a de contador, e ainda garante benefícios trabalhistas por meio do pagamento mensal do “boleto do MEI”, chamado DAS

Desde sua instituição em 2008, o programa de Microempreendedores Individuais vem aumentando o número de registrados no regime. Em 2017, foram mais de 7 milhões de MEIs formalizados e, até o fim de setembro de 2019, o Portal do Empreendedor registrou mais de 9 milhões de microempreendedores no País.

Confira, a seguir, quais são as 10 categorias de MEI mais em alta em 2019.

1. Cabeleireiros, manicure e pedicure

700.800 pessoas

2. Comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios

682.730 pessoas

3. Obras de alvenaria

394.338 pessoas

4. Promoção de vendas

269.250 pessoas

5. Lanchonetes, casas de chá, de sucos e similares

237.472 pessoas

6. Comércio varejista de mercadorias em geral, com predominância de produtos alimentícios – minimercados, mercearias e armazéns

210.920 pessoas

7. Fornecimento de alimentos preparados preponderantemente para consumo domiciliar

210.574 pessoas

8. Atividades de estética e outros serviços de cuidados com a beleza

188.199 pessoas

9. Instalação e manutenção elétrica

172.070 pessoas

10. Serviços ambulantes de alimentação

169.767 pessoas

Dados obtidos no Portal do Empreendedor em 28/09/2019

Por ser um regime especial e simplificado de empresa, o empreendedor precisa enquadrar-se em alguns quesitos para ser um MEI, como ter faturamento anual máximo de R$81 mil, contratar no máximo um funcionário e não ter participação em outra empresa como titular ou sócio. Além disso, o empreendedor interessado em ser MEI precisa procurar a Prefeitura da cidade em que reside para verificar se a atividade é permitida no local.

Com o cadastro de MEI, o microempreendedor recebe um CNPJ e pode emitir notas fiscais. Por optar pelo Simples Nacional, ele passa a ter uma tributação simplificada, o DAS, e fica isento de tributos federais, como PIS e Cofins. Desde que o MEI esteja com o pagamento do DAS em dia, ele tem direito a benefícios como aposentadoria por invalidez ou idade, auxílio-doença e salário maternidade para as mulheres.

As informações foram úteis?

Você não achou esse artigo útil.
Nos ajude a melhorar! Como podemos tornar esse artigo mais útil?
Agradecemos pelo seu feedback!