Brasileiro fatura R$ 15 mil vendendo brigadeiro pelo mundo

Por Redação Azulis

A Azulis entrevistou Caio Giachetti e descobriu qual o segredo para o sucesso do seu negócio! Confira:

Não é segredo que muita gente sonha em empreender. Uma pesquisa encomendada pela Herbalife Nutrition e realizada pela OnePoll revelou que 77% dos brasileiros sonha em ser o dono do próprio negócio. O que impede cerca de 69% deles é o alto investimento para começar um negócio. Esse não é o caso de Caio Giachetti, 37 anos.

Com pouco mais de € 20, o brasileiro achou a receita do sucesso. Munido de uma caixa de ferramentas cheia de brigadeiros e muita simpatia, seu empreendimento gera um faturamento mensal de € 3.200 (aproximadamente R$ 15 mil). A carga de trabalho também pode ser considerada “dos sonhos”: 12 horas por semana, o equivalente à jornada de trabalho de um dia para muitas pessoas.

No entanto, o caminho do empreendedor até realizar o que é o sonho de muitos brasileiros não foi fácil. Antes de alcançar o sucesso, ele teve que perder tudo.

SAIBA+AZULIS: 7 hábitos de Rick Prospera: de vendedor de água a palestrante em Harvard

Vivendo para trabalhar

Em 2015, a loja de roupas que Caio e a esposa, Carol, tinham, faliu. Era o que o casal precisava para tomar coragem e, reunindo o que sobrou das economias, se lançar em uma aventura no Velho Mundo. “Mudamos para Londres com pouco dinheiro e pegamos a primeira oportunidade de trabalho que apareceu. A Carol vendia hambúrgueres na frente do estádio do Chelsea e eu lavava pratos num restaurante chinês”, afirma Giachetti.

Durante aproximadamente 5 meses, Caio trabalhou 12 horas por dia, recebendo pouco e vivendo para trabalhar. A virada se deu no dia 20 de dezembro do mesmo ano, quando a notícia do falecimento do seu pai chegou. Segundo o empreendedor:

“Meu pai viveu a vida toda trabalhando e sonhava com a aposentadoria para começar a viajar, faltava só 2 meses, mas um câncer resolveu interromper o seu sonho. […] A morte do meu pai me fez perceber que eu estava fazendo o mesmo, foi aí que eu resolvi mudar tudo.”

Foi quando ele teve uma certeza: nunca mais viveria para trabalhar, só trabalharia o suficiente para viver.

SAIBA+AZULIS: 7 dicas de empreendedorismo de Luiza Trajano, do Magazine Luiza

Trabalhando para viver

Uma vez tomada a decisão, Caio e Carol largaram os respectivos empregos e procuraram entender seus gastos. O aluguel era o maior deles, então foi o primeiro corte. No lugar, passaram a viver de troca colaborativa, ou seja, fazer algum tipo de serviço ou trabalho em troca de acomodação. Mas ainda restava um problema: como conseguir uma renda sem se prender a nenhum lugar?

A resposta veio no formato de bolinhas de leite condensado, chocolate e manteiga. No começo, os brigadeiros eram feitos para serem vendidos em hostels. Depois, o negócio expandiu para cafeterias e restaurantes, mas logo o casal percebeu que ficaria preso a um lugar e esse não era o objetivo. “Somos livres e oferta nenhuma faria a gente voltar para a gaiola. Somos empreendedores, mas acima de tudo nômades”, defende Caio.

De fato, não voltaram. Portugal foi o primeiro de 29 países que o casal conheceu nos últimos 5 anos, tudo às custas do docinho brasileiro… e de um ótimo discurso.

A aposta de venda nômade ganhou força com a narrativa que Caio construiu ao comprar uma caixa de ferramenta por € 19. A estratégia funciona assim: ele entra nas lojas com a maleta em mãos, afirmando que está ali por causa do conserto. Quando os lojistas e fregueses não entendem, ele abre a mala, revelando um mar de brigadeiros e afirma: “Meu nome é Caio e sou da Oficina do Brigadeiro. Essa bolinha de chocolate contém 20 gramas de felicidade.”

Antes da maleta e do discurso, o empreendedor confessa que para vender 200 brigadeiros levava um total de 6 horas por dia. Depois, a jornada caiu pela metade, mesmo vendendo a mesma quantidade. Hoje, ele trabalha 3 horas por dia, 4 dias por semana e fatura € 3.200.

Quando lhe perguntam por que não aumenta a carga de trabalho para ganhar mais, ele nem pestaneja: “As pessoas vivem para o trabalho e nós trabalhamos para viver. Escolhemos o brigadeiro por ser um doce fácil de fazer e que encanta pessoas do mundo inteiro, a troca que recebo do sorriso de um gringo comendo a sobremesa mais famosa do nosso país não tem preço.”

Ah, e para quem acha essa história impossível, Giachetti aconselha:

“Precisamos ter soluções eficazes. Basta ter visão e ser criativo, acho que todos nós conseguimos.”

Imagem: @instacaionomundo

Se você é um autônomo que quer formalizar o negócio ou um empreendedor que quer alavancar a empresa, a Azulis é o lugar certo para você. Com conteúdo atualizado, a Azulis te ajuda a entender todas as burocracias de ter uma pequena empresa. Com a gente, a sua vida de empreendedor vai ser muito mais fácil. Para acessar nossos artigos sempre em primeira mão, se inscreva na nossa newsletter.

As informações foram úteis?

Você não achou esse artigo útil.
Nos ajude a melhorar! Como podemos tornar esse artigo mais útil?
Agradecemos pelo seu feedback!