Consignação: o que é, como funciona e como fazer na sua empresa

Por Redação Azulis

Confira as vantagens e desvantagens desse tipo de negociação e por que ela é importante

Consignação

Se você pretende abrir um negócio do zero e não tem onde onde arranjar dinheiro, a consignação pode ser uma boa saída. Afinal, levar produtos para as prateleiras das redes de varejo e atacado é um desafio para quem está iniciando. A saber, ela permite que você aumente suas vendas tendo a certeza do retorno do seu investimento. Mas é importante que essa negociação seja bem definida antes de aplicar esse modelo à sua empresa. Vamos entender melhor sobre o assunto.

SAIBA+AZULIS: Ferramentas de gestão: o que são e quais as principais?

Saiba como gerenciar seu negócio!

Confira as melhores ferramentas para gestão e faça seu negócio decolar Política de Privacidade

Acesse seu E-mail para baixar o conteúdo.

O que é e como funciona a consignação?

Em resumo, consignação é quando você tem um produto que vai ser colocado para venda em uma loja ou ponto de venda, sem que o comerciante tenha que comprar o produto. Assim, o dono do estabelecimento só paga ao fornecedor se vender o produto. Basicamente, é como se o estoque fosse financiado pelo fornecedor. Ou seja, caso os itens não sejam vendidos, a devolução deles poderá ser feita.

O risco do revendedor certamente é menor, visto que ele tende a dar menos prioridade aos produtos consignados. Por outro lado, como os custos de comercialização são praticamente todos bancados pelo fornecedor, a margem de lucro oferecida também costuma ser bem menor que os produtos tradicionalmente adquiridos pelo lojista.

Como fazer a consignação?

Para fazer a consignação, o comerciante deve procurar no mercado fornecedores que trabalham com esse tipo de arranjo comercial. Com os dois lados de acordo, o fornecedor passará a entregar seus produtos ao revendedor em datas combinadas. Em seguida, em uma data pré-agendada, o fornecedor retoma ao estabelecimento que fez negócio a fim de prestar as contas. Com isso, as mercadorias que sobraram serão devolvidas e as vendidas devidamente pagas.

SAIBA+AZULIS: Gestão do conhecimento: quer saber tudo sobre?

Em caso de sobra, é do fornecedor a responsabilidade de fazer o que quiser com o que não foi vendido. Vale lembrar que ele tem direito a comissão, e a mesma deve ser descontada desse valor. É bom ressaltar também que, em geral, o período de venda e coleta dos produtos é de um mês.

Por que fazer a consignação?

A consignação pode ser muito boa para uma empresa que não tem loja física, por exemplo. Contudo, existem negócios de venda consignada também em uma marketplace. É interessante fazer porque dificilmente alguém sai perdendo, tanto o fornecedor, que consegue colocar o produto dele em visibilidade, quanto o comerciante, que só paga se vender. O mercado financeiro também sai favorecido por esse tipo de venda, fazendo com que as oportunidades de crescimento econômico sejam muito maiores. Visto que isso gera mais empregos e, consequentemente, quanto mais gente trabalhando, mais dinheiro circulando pela economia.

Quais as vantagens e desvantagens da consignação?

Para quem pretende investir, saiba que a consignação traz muitos benefícios, mas também possui as suas desvantagens. Vamos conhecer os dois lados dessa “moeda”:

  • Vantagens

Fornecedor: aqueles que colocam os produtos em consignação têm a chance de divulgar seus produtos no mercado, possibilitando um crescimento nas vendas. Ademais, o que não for vendido continua sendo de propriedade do fornecedor, já que ele recebe todos os itens de volta.

Revendedor: o lojista tem menos responsabilidade e gastos com relação a estoque. Isso porque os produtos que não forem vendidos poderão ser devolvidos. Além disso, o responsável pelo estabelecimento não precisa arcar com os custos do que não teve saída. Outra vantagem da consignação é que o preço da mercadoria será repassado ao fornecedor pelos produtos vendidos. Todavia, o dono do estabelecimento pode vender os itens pelo valor que desejar.

Consumidor final: entre as vantagens para quem compra o produto na loja estão a facilidade para encontrar a mercadoria, preços razoáveis e, por fim, garantia na compra.

  • Desvantagens

Fornecedor: caso o tipo de produto vendido tenha data de validade e consumo latentes, isso pode ser ruim, visto que pode ser devolvido ou trocado por outro produto;

Revendedor: o lojista acaba dependendendo de produtos alheios para gerar vendas, já que não tem fabricação própria. Além disso, se as opções foram poucas, o comerciante pode não ter produtos próprios para empreender. Ou seja, seu ganho será menor.

Consumidor final: em caso de poucos comerciantes vendendo determinado produto, o valor da mercadoria pode crescer por conta da demanda.

Por fim, uma desvantagem comum tanto para o fornecedor quanto para o vendedor é com relação às dificuldades na contabilidade, no manuseio e no rastreamento de produtos de consignação. Afinal, há o perigo da venda consignada elevar os custos de mão de obra e gerar dupla manipulação. Isso porque muitos sistemas de gerenciamento de estoque e contabilidade não são projetados para contabilizar esse tipo de mercadoria.

Agora que você já sabe o que é consignação, é hora de pensar se vale a pena esse tipo de negociação para o seu negócio. Boa sorte na escolha!

Saiba como gerenciar seu negócio!

Confira as melhores ferramentas para gestão e faça seu negócio decolar Política de Privacidade

Acesse seu E-mail para baixar o conteúdo.

As informações foram úteis?

Você não achou esse artigo útil.
Nos ajude a melhorar! Como podemos tornar esse artigo mais útil?
Agradecemos pelo seu feedback!