Serviço de delivery: que empresa vale a pena contratar?

Por Fernanda Santos

Reunimos informações sobre as principais empresas de delivery do País para ajudar você a decidir qual é a melhor para o seu negócio

servicos-delivery-contratar

Se o seu negócio está no ramo de alimentos, certamente você já se questionou se vale ou não a pena fechar um contrato com uma empresa de entregas ou contratar um motoboy fixo para fazer o delivery. Ao que tudo indica, tem muita gente fazendo isso por aí. Só no ano passado, o comércio eletrônico faturou R$ 59,9 bilhões no País, graças aos 203 milhões de pacotes entregues nas casas dos brasileiros.

De fato, ter sua marca em um aplicativo pode ajudar a tornar o negócio conhecido e aumentar as vendas. Mas é preciso estar ciente dos custos e regras dos contratos antes de tomar essa decisão. A Azulis reuniu informações úteis sobre as principais empresas desse mercado. Veja a seguir.

SAIBA+AZULIS: 5 cursos online gratuitos para a gestão do seu negócio

iFood

A primeira plataforma de entrega de comidas a fazer sucesso no Brasil foi o iFood. Basicamente, ela faz a ponte entre os estabelecimentos parceiros, os entregadores e os clientes finais, que usam o aplicativo para ver os restaurantes disponíveis em um determinando raio de distância. Para os donos das empresas, há dois planos disponíveis. Em ambos o dinheiro cai na conta em 30 dias após a entrega.

iFood Básico: quem entrega é o próprio estabelecimento. A taxa por venda é de 12% mais 3,5% para pagamentos feitos pelo app do iFood. O parceiro que fatura mais de R$ 1800 mensais paga uma mensalidade de R$ 100. Quem vende menos, não paga.

iFood Entrega: quem faz as entregas são os motoboys do iFood. A taxa paga sobre o valor da entrega é de 25% nos 3 primeiros meses e 27% do terceiro mês em diante. A mensalidade para quem vende mais de R$ 1800 é de R$ 130. Se vender menos, não paga mensalidade.

A loja de empadas Empadinha Mineira, que fica em Florianópolis (SC), faz cerca de 10 entregas por dia pelo iFood. Para Maria Pereira, dona do negócio, a maior vantagem é que eles conseguem chegar a outros bairros e ficam mais conhecidos, graças à publicidade do aplicativo. Por outro lado, ela acha a taxa cobrada muito alta.

“Eu acho muito caro cobrar 25% sobre cada entrega. Nossa empada custa R$ 5 e acaba saindo por R$ 3,75, mesmo preço de custo que cobramos dos cafés clientes”, afirma Maria, da Empadinha Mineira.

Uber Eats

Na mesma linha do iFood, a Uber Eats é uma plataforma de entrega focada apenas em estabelecimentos do setor alimentício. A Azulis entrou em contato com a assessoria, mas não foi informada sobre as taxas cobradas dos parceiros. Para saber valores, é preciso preencher um cadastro no site e aguardar o contato da empresa.

No caso da Empadinha Mineira, a taxa informada pela Uber Eats foi de 25% sobre o valor da entrega nos primeiros 3 meses de contrato e 27% a partir do quarto mês. Além disso, há uma mensalidade de R$ 130 independentemente do faturamento obtido em delivery.

SAIBA+AZULIS: 9 dicas para lidar com a crise e vender mais

Rappi

A plataforma da Rappi funciona na mesma forma que a do iFood e da Uber Eats, com a diferença que ela inclui não apenas entrega de refeições, mas também de supermercados, farmácias, petshops, entre vários outros estabelecimentos parceiros. Na opção “Qualquer coisa”, o usuário pode contratar serviços especiais como entrega de dinheiro em espécie, entrega de flores, produtos de sex shop, chamar alguém para passear com seu cachorro e até encontrar um goleiro para jogar entrar no jogo por uma hora.

Os estabelecimentos que querem ser parceiros devem preencher um cadastro no site da empresa ou mandar um e-mail para sejaparceiro@rappi.com. A empresa informou que não há uma taxa fixa cobrada e que “cada estabelecimento parceiro possui um acordo comercial com a Rappi”.

Loggi

No caso da Loggi, o cliente final faz o pedido direto para a empreendedor, em vez de usar um aplicativo. O estabelecimento, por sua vez, acessa a plataforma e programa a entrega. O pagamento da encomenda pode ser feito pelo motoboy, com a maquininha da Loggi, que aceita até mesmo vale-alimentação. A única taxa cobrada por esse serviço de pagamento é a do cartão.

No caso da empresa de comida indiana Curry Natural, a taxa cobrada para entregas num raio de 3 km é de R$ 8,9. Em distâncias maiores o preço varia. Eduardo Morgado, dono do negócio, explica que a Loggi vale a pena quando o cliente está mais de 4,5 km distante (e não entra no raio do iFood) ou quando a entrega é de comida congelada. “Acho que quanto mais plataformas eu tiver, melhor para o meu negócio”, diz ele.

O cadastro na Loggi é feito pelo site da empresa, mas passa por um processo de aprovação.

SAIBA+AZULIS: 5 dicas para escolher bem seus funcionários

Vale a pena entrar no serviço de aplicativos de entrega (iFood, Rappi)?

Conheça os prós e contras antes de entrar nos aplicativos de entrega

Acesse seu E-mail para baixar o conteúdo.

Motoboy

Contratar um motoboy fixo para fazer entregas também é uma opção para o dono do negócio. Mas é preciso fazer algumas contas para avaliar se o custo benefício desse serviço é realmente bom. Maria Pereira, da Empadinha Mineira, tem um motoboy para entregas em uma de suas lojas. Ele cobra R$ 20 para ficar à disposição das 14h às 18h mais uma taxa por entrega, que varia de R$ 3 a R$ 5. Hoje, ele fica na casa dele. Quando ficava na loja, cobrava o dobro do valor.

Vamos fazer uma conta simples. Imagine que hoje a Empadinha Mineira recebeu 5 pedidos, cada um de R$ 25. O custo dos serviços de entrega são:

  • Motoboy: ao menos R$ 35;
  • iFood: R$ 31,25 nos primeiros meses de contrato e R$ 33,75 do terceiro mês em diante. Mais mensalidade de R$ 100 ou R$ 130 para faturamentos acima de R$ 1800;
  • Loggi: ao menos R$ 44,5;
  • Uber Eats: R$ 31,25 nos primeiros meses de contrato e R$ 33,75 do terceiro mês em diante. Mais mensalidade de R$ 130.

Com um pouco de disposição para pesquisar, negociar e colocar os cenários no papel, você vai encontrar a melhor forma de fazer suas entregas e ainda tornar seu negócio bem mais conhecido que antes.

As informações foram úteis?

Você não achou esse artigo útil.
Nos ajude a melhorar! Como podemos tornar esse artigo mais útil?
Agradecemos pelo seu feedback!