Inteligência emocional no trabalho: o que é e como desenvolver

Por Redação Azulis

A inteligência emocional no trabalho indica como nos relacionamos no ambiente corporativo. Se você busca evoluir esse aspecto na sua empresa, veja como desenvolver as melhores atitudes com as dicas que separamos neste artigo.

Inteligência emocional no trabalho

Antes de qualquer coisa, é importante entender que a inteligência emocional é um dos pilares para a promoção de um clima organizacional produtivo. Uma equipe também se mantém motivada a partir, por exemplo, da sua relação com seus superiores e o grau de praticidade gerado pela automação das ferramentas utilizadas no dia a dia.

A inteligência emocional cria condições para que as relações interpessoais não sejam uma barreira para o crescimento do negócio. Para entender em mais detalhes como isso pode ser promovido no ambiente corporativo, continue a leitura!

Afinal, o que é inteligência emocional no trabalho?

A inteligência emocional é a capacidade de gerir bem os próprios sentimentos e de saber lidar com as emoções de outras pessoas, a fim de construir relacionamentos baseados em princípios saudáveis, como ética, respeito e transparência.

Esse conceito vem ganhando espaço em discussões de empresas, pois cada vez mais gestores estão percebendo que fatores emocionais e comportamentais são importantes, tendo em vista que impactam de modo significativo a produtividade da equipe de trabalho.

Inúmeros são os momentos em que os colaboradores precisam dessa habilidade bem desenvolvida, como em debates de reuniões, organização de grupos, negociações, cobranças, feedbacks e situações de conflito.

Em suma, a inteligência emocional pode ser representada em alguns pilares. São eles: autoconhecimento, controle emocional, automotivação, habilidade de reconhecer emoções e de interagir com outras pessoas.

Por que é importante para gestores?

A inteligência emocional está diretamente relacionada ao comportamento dos colaboradores, uma vez que todos carregam para o ambiente de trabalho crenças, medos, desafios e necessidades pessoais. Essas características são refletidas nas ações do cotidiano, e podem prejudicar ou favorecer relações interpessoais.

Esse conceito pode ser manejado pela gestão para promover junto com os colaboradores o desenvolvimento de habilidades de interação. Além de contribuir para o aperfeiçoamento das competências de cada profissional, a inteligência emocional acaba impactando de diversas formas as relações construídas como um todo na empresa.

Isso acontece porque as atividades diárias no ambiente corporativo exigem a habilidade de se relacionar bem com outras pessoas, tendo em vista que todos os setores de uma empresa estão interligados e devem trabalhar em prol de objetivos comuns.

SAIBA+AZULIS: O que é gestão do conhecimento

Como usar na gestão de pessoas?

A gestão de pessoas é o conjunto de práticas e investimentos que visam aperfeiçoar o capital humano de uma empresa. Na prática, isso significa que a gestão de pessoas é o setor responsável por criar caminhos para a motivação e satisfação dos colaboradores, de modo a garantir um ambiente de trabalho saudável e que estimule a produtividade.

A inteligência emocional é um dos desafios da gestão de pessoas, independentemente do porte da empresa.

Mesmo pequenos empreendedores podem promover essa capacidade com a sua equipe, por meio de ações que visem melhorar a interação entre colaboradores, a comunicação entre hierarquias e a transparência nos relacionamentos.

SAIBA+AZULIS: Gestão por competência: o que é e como aplicar?

Quais são as dicas para desenvolver a inteligência emocional no trabalho?

Vimos em detalhes o que é inteligência emocional no trabalho e a importância desse conceito para gestores. Abaixo, confira as nossas dicas sobre como estimular essa capacidade com a sua equipe.

Promover o autoconhecimento

O autoconhecimento se trata da capacidade de reconhecer os próprios padrões de comportamento, e esse é um dos pilares da inteligência emocional.

Entendendo como o seu emocional reage a determinadas situações, fica mais fácil entender como é possível intervir nos seus comportamentos e melhorar determinadas habilidades.

Nos relacionamentos corporativos, o autoconhecimento pode aflorar competências pessoais e até estimular a empatia.

Portanto, é importante que a empresa, de alguma forma, possa fazer um mapeamento comportamental com cada colaborador. Essa pode ser uma experiência simples e leve, mas que vai causar um grande impacto.

Basear as ações em feedbacks

Como vimos, a inteligência emocional não se trata apenas de saber controlar as próprias emoções, mas de saber lidar com as reações emocionais de quem está ao redor. Esse aspecto é favorecido quando as relações entre colaboradores e entre profissionais de diferentes hierarquias são baseadas em feedbacks, sejam positivos, sejam negativos.

Feedback é uma resposta elaborada sobre a ação de outra pessoa. No ambiente corporativo, feedbacks evitam falhas provenientes da falta de comunicação interna e fazem com que as pessoas percam o medo de se expressar e exercitem a capacidade de lidar com seus próprios erros de uma maneira mais saudável e construtiva.

Desenvolver a liderança

Não são apenas os colaboradores que devem desenvolver a inteligência emocional. É fundamental que profissionais em postos de liderança, chefes ou gestores, também passem por esse processo de aperfeiçoamento. Sem esse cuidado, é impossível construir um ambiente de trabalho saudável, baseado na ética, no respeito e na transparência.

Líderes emocionalmente seguros deixam os colaboradores confortáveis para assumir riscos e sugerir soluções. Em momentos de definir mudanças, chefes e gestores cientes da importância da inteligência emocional entendem como os colabores podem reagir às alterações e se antecipam para planejar formas mais estratégicas de apresentá-las.

Um líder com essas características não torna situações de conflito traumatizantes para a equipe (como reações de gritar e culpar outras pessoas) e recebe feedbacks sobre seu desempenho como oportunidades de crescer profissionalmente.

Em suma, quando um gestor investe na sua inteligência emocional, também trabalha as emoções em prol dos objetivos da empresa.

Dessa forma, os obstáculos entre colaboradores e profissionais em cargos de liderança não se tornam um problema para todos.

Até aqui vimos que a inteligência emocional no trabalho é um dos pilares para a promoção de uma equipe mais motivada, formada por pessoas capazes de gerar resultados significativos a partir de suas relações interpessoais.

Isso mostra que trabalhar fatores comportamentais e emocionais é de grande ajuda para o crescimento do seu negócio.

Gostou das informações deste artigo? Então continue aprendendo mais práticas para melhorar a gestão do seu negócio, confira o nosso artigo sobre a importância da mensagem de satisfação para o cliente. Até a próxima!

As informações foram úteis?

Você não achou esse artigo útil.
Nos ajude a melhorar! Como podemos tornar esse artigo mais útil?
Agradecemos pelo seu feedback!